Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Quatro meses depois

por aquimetem, Falar disto e daquilo, em 18.01.13

 

          Desde meados de Setembro que não gozava um fim de semana na capital do barro leiriense, aconteceu agora, quatro meses depois. Uma daquelas partidas com que a vida por vezes nos presenteia, esteve na origem deste interregno que sobretudo à minha cara metade, por bajouquense que é, mais custou aguentar. Mas tudo bem, ontem, dia 17, quebrou-se o enguiço e, estrada fora, eram 12:30h eis-nos na Bajouca Centro prontos para almoçar e no fim o cafezinho da ordem e a cavaqueira, entre amigos já muito ansiosos por este  reencontro, no Café Sousa.   

         Da cavaqueira recolhi a noticia que mais desejava saber, a de que a Bajouca é uma das freguesias que a final acaba por não ser extinta, o que também caso acontecesse era o mais lamentável atentado à dignidade de uma população e de uma terra que em apenas 40 anos transformou uma modesta aldeia rural, na freguesia mais dinâmica e acolhedora do concelho de Leiria.

          Criada freguesia, a 17 de Dezembro de 1971; e paróquia, a 2 de Fevereiro de 1972, a Bajouca é das terras que de facto ganhou com essa promoção, uma vez que todo o sentimento bairrista do povo bajouquense se mobilizou para dar à terra a imagem que tem hoje, e que é orgulho de quem lá nasceu ou vive. As datas foram festejadas com animação ao longo do ano que acabou e o lema foi: " 40 anos a construir e a celebrar".Não pude acompanhar de perto o  evento alusivo ao encerramento desta quase maratona de anos percorridos, mas tenho o prazer de nela ter entrado em Agosto de 1972, e desde então ser da Bajouca um acérrimo divulgador do seu património histórico e cultural nos jornais O Mensageiro, o Elo e A Voz do Domingo. 

 

          Já sem aquela pedalada de inicio, ainda assim lá vamos dando as nossas corridinhas e quando não apetece há sempre o empurrão de familiares e amigos para nos dar força e animação. Assim não fora, desta vez nem em este post podia publicar, pois deve-se à generosidade da minha vizinha Bela que me cedeu a Internet; depois com a chuva que estava àquela hora, a visita da Saudade à Emília do ti Silvino, à mana Biatriz e à casa do jardineiro do Marco, não se fazia sem a amizade da Isabel Neto que pacientemente nos conduziu e acompanhou por essas estações todas.

           Aqui numa das estações as três manas à volta da fogueira da Beatriz: Saudade, Beatriz e Maria Emilia, com a Isabel Neto a fotografar as "três Ratas".

           No momento da despedida, a Saudade em dialogo com a sobrinha Zezita Afonso, que me contava o pai, e a mãe confinou agora, que quando a filha nasceu estavam as obras de prolongamento da estrada da Bajouca a chegar onde hoje estão os depósitos da água, à Costeira da Murta. Um registo a ter em conta para quem gosta de fazer hiistória.

         E o resto da via sacra decorreu com paragem no Largo dos 13 para do talho do Ribeiro trazer as “lentriscas” de que tanto gosto e o meu colesterol reprova. Visita feita, agora há que  aguardar até à próxima deslocação. Isto em data assinalável, pois há 32 anos, a 18 de Janeiro, a Bajouca inaugurava o campo desportivo das Pedras, hoje recordado por calhar no dia em que a São do Sr. Manuel jardineiro faz 50 anos.      

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00


4 comentários

De mg a 18.01.2013 às 18:01

Olá! Pena estar de chuva...
Continuação de boas melhoras é o que se deseja.
Que as excelentíssimas irmãs se reúnam à lareira, por muitos anos!
Saúde.

De aquimetem, Falar disto e daquilo a 18.01.2013 às 19:48

Eu agradeço por elas, mas na família e amigos não falta quem do comentário tome conhecimento e aprecie. Bem haja

De Raul Silva a 24.01.2013 às 01:37

Foi com muito agrado que vi as fotos que publica neste artigo e li os textos, que para além de me darem óptimas notícias, também me fizeram recordar o passado. Obrigado tio Costa e continue a fazer este tipo de trabalhos que para mim são de grande valor.

De aquimetem, Falar disto e daquilo a 28.01.2013 às 17:31

Obrigado Raul! Embora não escreva para ser louvado, ver de vez enquanto um daqueles bajouquenses generosos e agradecidos vir a terreiro manifestar o seu apreço, por quem da sua terra berço fala e divulga, é sempre muito agradável. O meu muito bem haja.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D