Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De Carnide a terras de Leiria

por aquimetem, em 01.10.12

           Ontem, fim de Setembro e da feira da Luz, que anualmente e durante esse mês se realiza em São Lourenço de Carnide. Como morador na área mau era que não aproveitasse daquilo que de nobre e tradicional esta antiga freguesia e paroquia dos subúrbios da cidade tem para oferecer aos seus habitantes e visitadores, como por exemplo do seu património: o santuário da NS da Luz, Carnide Velho, onde além do Coreto e da famosa culinária, ressai a igreja de São Lourenço. Foi aqui que ontem iniciei a minha jornada dominical com participação na missa de 09:30h, e no fim um cafezinho no Sr. António, no largo do Coreto.

 

          Tive uma visita surpresa, de amigos em passagem vindos de visitar o Badoca Park (Santiago de Cacem),donde vinham encantados e os seus herdeiros ainda muito mais. Nestas ocasiões um almoço fora de casa até sabe melhor, e liberta as nossas cozinheiras da tarefa. O Centro Comercial Colombo fica perto, e também situado em Carnide, lá fomos dar e cada um escolheu o que lhe apeteceu, até a juventude teve essa liberdade.

  

          Com uma boa centena e meia de quilómetros para percorrem antes de  chegarem a suas casas, estes dois casais de amigos agora apetecia-lhes era continuar a viagem de regresso. Mas estavam em Carnide, e deixá-los partir sem assistirem à Procissão de Nossa Senhora Luz que no ultimo domingo de Setembro encerra a feira anual que ali  se realiza, era uma falta de generosidade cristã. O trajecto entre o Colombo e a Rua da Fonte faz-se bem, contornando a Quinta dos Condes de  Carnide, em direcção ao Largo da Luz.  

 

           Um dos casais todo desportista, e com um trio de juventude ainda mais desportista,  aguarda, na Rua da Fonte, pela passagem da procissão, que não tarda vai passar. Aconteceu no final da Missa Solene que teve inicio às 15:00h, e decorreu no Santuário da Luz que é sede da paróquia de São Lourenço de Carnide.

           O vídeo dá uma ideia da multidão de fieis que participou nesta procissão.

          O pálio na cauda do cortejo, com o santo lenho.

          Depois de passar por Carnide Velho a procissão tomou a Estrada da Correia entre o largo do Coreto e a quinta de São Lourenço para no Chafariz do Largo do Malvar entrar na estrada de regresso ao santuário, onde a imagem da Senhora da Luz é venerada desde 1463.

 

          E nós descemos até junto desta tipuana, onde ficou estacionado o carro que conduziu os nossos amigos de Carnide a terras de Leiria

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:21


nem me chateio nada!

por aquimetem, em 22.06.08

          Ontem a minha cara-metade fez anos, e como era de esperar as amizades mais intimas apressaram-se a felicitá-la pela ocorrência. O Hugo que em tudo procura ser  dos primeiros, exigiu uma foto encostado à aniversariante, e como sempre saiu vencedor..., graças à sua mana Cristina! 

          Também eu aproveitei para demonstrar a minha falta de jeito como repórter fotográfico, mas com o jeito que tenho, tentar apanhar parte dos convivas que se juntaram no meu "solar" para cantar os parabéns a quem no lugar da Capela da Bajouca, (então freguesia de Monte Redondo - Leiria) nasceu  a 21 de Junho de 1937.

           Que  para meu bem, esta data se repita por muitos anos e se Deus mos deixar contar até nem me chateio nada !

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:37


Os Torrados de Carnide

por aquimetem, em 13.12.07

 

           Com este título de Carnide, existem duas freguesias, em Portugal: uma em Pombal e outra em Lisboa. Se  numa tenho residência, noutra tenho a amizade do pároco, que também é o da capital do barro leiriense, e por isso  quando aos fins-de-semana me retiro da cidade dos governantes para aqueles lados, não raro dou a minha volta por ali, como aconteceu no passado fim-de-semana, e o atesta esta foto que tirei ao altar-mor da igreja paroquial

          Do sentimento espiritual que anima esta comunidade carnidense, nos fala  o brasão da freguesia, que  sem complexos mesquinhos exibe no seu escudo a tocha de Santo Elias, o padroeiro da terra, como se pode ver ladeada por duas folhas de trevo e duas rodas de moinho, que são o cunho que marca e distingue este povo laborioso de entre Pombal e Leiria.

          Mas vamos ao que motivou falar hoje desta terra, quando até nem parece haver motivo especial para isso. Lá vai ele:

          Despertado por um tema que hoje em as " Tardes da Júlia" calhei ver, na TVI, à volta de termos, como Venda das Raparigas, Deixa o Resto, Os Bicos e Coina, e no qual pessoas naturais dos respectivos lugares vieram contar a história que ali se consta dera origem  a cada um desses topónimos, lembrei-me dos muitos casos semelhantes que existem, mas aqui em relação a alcunhas, como esta que dá por "Torrado".

          Terra muito antiga, entretanto só em meados do século passado se tornou freguesia e paróquia ao desanexar-se de Vermoil, refiro-me a Carnide. Pertence ao concelho de Pombal, e ao distrito e diocese de Leiria/Fátima. Tem por orago Santo Elias, e actualmente é servida por diversas estradas que a ligam com a EN.nº 1 e a EN nº 109. No rio Carnide, afluente do Mondego, que nasce perto e atravessa a freguesia deve estar a origem do topónimo.

          Se natural da terra ou ali foi parar em busca do ganha pão, não consegui apurar, nem tão pouco saber a data, nem o nome desse parente afastado da família Ferreira, de Carnide, que além do apelido deu também origem ao alcunha por que essa numerosa e respeitada família é mais conhecida ali e na região.

        Com fundamento no consta-se, é tradição que esse remoto avoengo do Sr. José Ferreira, que na Bajouca todos conhecem apenas por "Torrado" ou José "Torrado", era um pastor e quando com outros colegas em certo dia gelado de Inverno se fez uma fogueira à  volta da qual se juntaram para aquecer, ao sentir calor a mais, terá dito: " deixai-me desviar se não fico torrado", os outros pastores ouviram, acharam piada e...Torrado ficou!.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:53


Quinta do Bom Nome

por aquimetem, em 24.11.06

          Sempre que as chuvas causam enxurradas na zona de Carnide, aquele que foi o trajecto por onde passava a  Estrada do Poço do Chão, nas traseiras do Lg. Miguel José Mendes fica transformado numa verdadeira lagoa. É o exemplo vivo da engenharia  e da política de urbanização que temos!!!

          Um bom atractivo para levar ali  turistas  que visitem Lisboa quando chove, pois além disto têm o caos do estacionamento local e à volta; agora agravado com a instalação do ISLA na Quinta do Bom Nome ou das Mercês, quinta  que já foi cemitério e a sua capela  igreja  paroquial de Carnide. Deram cabo da quinta e ao que parece até era um imóvel classificado.  Estes nossos democratas são uns artistas, desde que lhes cheire a €€ é um ver se te avias!....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:54


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D