Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Por terras de barro e xisto

por aquimetem, em 23.07.10

 

 Jardim central e igreja do Calvário, sec. XVIII.

          Seguramente há mais de trinta anos que não passava em Nisa, a IP2  que liga Portalegre  com a A23, via Barragem do Fratel, desviou da N364 e da N18 a maior parte dos viajantes que dantes por ali circulavam em demanda de terras da Beira Alta.

Loja de olaria e bordados  ao pé do cine-teatro de Nisa.

          No passado dia 16, sexta-feira, conduzido por uma jovem latifundiária alfacinha aí vou eu pela A1 apanhar a A23 para depois, saindo, seguir pela IP2  até às proximidades de Amieira do Tejo, e então pela N364, via Arez, alcançar a simpática vila alentejana a quem D. Manuel I deu foral em 1512. Famosa pela sua olaria cuja técnica decorativa do empedrado a distingue das demais louças regionais do país; ao barro e pequenos fragmentos de quartzo branco da região vão os oleiros da terra recolher o produto de que se servem para  fazer verdadeiras peças de arte: a louça de Nisa.

 Louça de Nisa

          Mas para um transmontano de Basto saber que como em Mondim também na  vila de  Nisa,  NS da Graça tem ermida e dá o nome a um dos mais importantes miradouros desta alentejana zona de trasinção me dá particular regosijo.

Nossa Senhora da Graça, que se venera em Nisa (Portalegre)

 Zona de barros, mas também, como na minha, de muitos calhaus... de granito

          O destino desta viagem não era demorar em terras do Alentejo, nem da Beira Baixa, mas de passar o fim de semana em terras de Leiria, onde na Bajouca, também capital do barro leiriense, ia decorrer até domingo, dia 18, a já tradicional Feiriarte, certame que a ABAD, uma associação local ali promove anualmente. Quer isto dizer que logo após a visita à herdade da minha condutora e de um breve passeio pelo centro da vila foi o apanhar de imediato a N18  e a caminho de Vila Velha do Rodão descer e deixar para trás a ribeira  e as famosas curvas  de Nisa de que já tinha saudades

 O Tejo que dantes entrava ligeiro pelas Portas do Ródão é hoje uma banheira de água choca

          Os ares da serra e o embalar das curvas de Nisa fizeram-se reflectir no abrir-me o apetite. A hora também começava a convidar pois eram cerca das 12h30 quando estava a atravessar a Ponte de Vila Velha, paralela às "Portas do Ródão". Lembrei-me então do famoso restaurante que, agora em ruínas, ali junto à ponte servia o apreciado arroz de lampreia e atraia turistas das mais diversas proveniências. A barragem deu cabo de tudo e a fabrica de celulose ajudou. É um "bom" exemplo para apontar  aos defensores das barragens nos rios de Portugal.  

Restaurante popular à entrada de Vila Velha do Rodão (Castelo Branco)

           Como quem não tem cão, caça com gato, o remédio  foi andar uns metros mais adiante e na urbe entrar no primeiro restaurante que me pareceu de acordo com as minhas preferências. Acertei, não foi lampreia, mas enguias.

 Fábrica de Celulose de Vila Velha do Ródão

          Como disse há já muitos anos que não circulava na estrada que liga Nisa a Vila Velha do Ródão, as auto-estradas não se fizeram para favorecer as terras do interior mas para as ignorar e explorar quem ali vive. Recordo que muitas vezes por ali passei e em caravana dos Amigos da Foz do Cobrão, que em Lisboa tinham no pai do Pintor Cargaleiro um conceituado dinamizador, por mais que uma vez fiz férias em Sobral Fernando. Por onde andará uma D. Fernanda e seu marido, Sr. Cipriano?   

 Rio Cobrão

          Aqui zona de transição entre o Alentejo e a Beira, a Foz do Cobrão é um dos geossítios do Geopark Naturtejo.  As Portas do Almourão situadas entre Sobral Fernando (Proença-a-Nova) e esta aldeia de Vila Velha do Rodão são testemunho evidente desses curiosos geossítios. Os geossítios ou "pedras parideiras" é um granito, modular da Castanheira, correspondente a um corpo granítico com a área aproximada a 1km2, e contemporâneo do glaciar da serra da Estrela. Como quem não aparece esquece, assim me sucedeu e eu que sabia existir em tempos uma ligação directa de Vila Velha à Foz, mesmo antes de haver ponte entre a Foz e o Sobral, o certo é que por minha distracção ou má sinalização na  sede do concelho, atravessei Vila Velha até lá muito distante onde me dei com a A23, e já desiludido pensei em regressar ao meu destino. Valeu que entretanto me surgiu já em direcção a Proença-a-Nova uma placa indicativa com o nome de Foz do Cobrão e retrocedendo lá fui eu fazer uma romagem de saudade aquele sedutor espaço geográfico que na geologia tem muitas semelhanças com a serra da Freita, também famosa pelas suas "pedras parideiras" da Castanheira, freguesia de Albergaria da Serra (Arouca).  Adorei!         

 Sobral Fernando

           O Sobral Fernando que conheci há cerca de 40 anos nada tem a ver com este de 2010. Os meus parabéns à Associação para o  Desenvolvimento de Sobral Fernando!

 "Portas do Almourão", na ribeira da Ocreza

 Ribeira da Ocreza 

          Ribeira que nasce na serra da Gardunha e desagua no Tejo a jusante da barragem do Fratel. A visita foi muito breve, mas muito agradável, e não fora a pressa de chegar a Leiria por mais tempo me demoraria ali. Assim por volta das 14h30 deixei as sedutoras aldeias do Xisto e por Sobreira Formosa em  direcção a Proença-a-Nova tomei a IP8 a caminho de Pedrógão Grande, Ansião e Pombal para por Santo Elias de Carnide alcançar a Bajouca, em festa. 

 

  Um aspecto muito animado da Feiriarte

          Por lá me distrai o resto de uma semana prolongada que me deu ainda tempo para na segunda-feira, dia 19, fazer uma visita a Fátima e almoçar em Leiria.   

Vídeo da Feiriarte

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00


2 comentários

De mg a 23.07.2010 às 14:31

Tem de se dar a mão à palmatória, que nem só a nossa terra é bela...
Também gosto desta louça de Nisa e tenho uma destas bilhas que se vêm na foto.
Já andei por aqui, mas não vi estas Portas do Almourão e nem a Ribeira de Ocreza; muito lindo!
Gostei da Sra. da Graça.
Uma volta muito agradável por certo.
Só lhe faltou comer lampreia...e uma farturinha na Feiriarte!!
E o passeio, como diria alguém: "tudo barato", ou não fosse ser levado por aquela senhora latifundiária...
Agradecemos estas lindas fotos, como sempre.

De aquimetem a 23.07.2010 às 15:19

Maliciosa já notei. Ma também muito perspicaz. Com franqueza nem sei bem se as Portas do Almourão se situam na Ocreza se no Cobrão aquilo é ali muito juntinho e quando há muitos anos visitei o sítio nem sabia distinguir as linhas... de água. Como gosto mais de canecas do que de bilhas passei sem trazer recordações, mas comi enguias, e na Feiriarte carneiro à Bajouca. Sempre com a Senhora da Graça a tomar conta de mim. Um abraço e bom São Tiago lá em riba, em Vilar...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D