Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




a capital do barro

por aquimetem, em 18.05.10

          O facto deste ano a visita pascal no lugar da  Bajouca Centro ter ocorrido somente no dia 17 de Abril fez com que as minhas míni-férias de Pascoa quase se transformassem em Férias Grandes. Foi de 31 de Março a 21 de Abril, eh valente!!!

 

Vitral da Igreja da Bajouca (Leiria) - a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos.

          Deu para tudo! Para descansar, apreciar o jardim e o movimento na via publica, conversar com os amigos, passear e...aprender, com os outros.  

Bajouca Centro - Café Sousa

           Com este bajouquense a quem não há muito um AVC  roubou  parte das suas potencialidades físicas  aprendi  como é importante uma pessoa ser persistente e acreditar. Quer faça frio ou calor é vê-lo todos os dias dar a sua voltinha pelo lugar, como que de uma actividade laboral se tratasse.     

Jardim - um gafanhoto

           Com este gafanhoto ou saltão aprendi como é que os habilidosos se abraçam à vara para se disfarçarem e tomar a mesma cor.

Jardim - um melro

          Com este melro aprendi que quando se está concentrado numa ocupação nem nos damos conta que estamos a ser observados. As consequências são diversas... e têm muito a ver com o observador

Uma senhora bajouquense

          Mas como disse, passear também fez parte do meu cardápio, e uma vez mais ao jeito que  Sr. Costeira da Murta já me sabe habituado. E mais: o  passeio maior foi pendurado à senhora mais "Bela" da capital do barro leiriense! Que o diga, o Paulo Ferreira. 

Santarém - miradouro da Rua Luís de Camões, sobre o  vale do Tejo.

          Santarém foi a cidade que na tarde do dia 07 de Abril visitei e pena tive de não haver tempo para ver alguns dos seus muitos monumentos de interesse histórico e turístico, como a Igreja da Graça e as Portas do Sol. Apenas me fiquei pelo amuralhado miradouro da Rua Luís de Camões, junto à clínica do Dr. Ruy Puga, que sobre a estrada de Almeirim deixa ver  o Tejo a descer das bandas de Alpiarça

 

Pavilhão Desportivo Municipal dos Pousos (Leiria)

          Um outro "fora de casa" foi logo no dia seguinte, agora atrelado a um "atleta" da minha idade que no  Pavilhão Desportivo Municipal dos Pousos, a técnica Sílvia tenta preparar para os olímpicos...não sei de quando. Aprendi como se consegue perder peso, sem ser preciso cavar batatas...

Foto recolhida do Hospital de Leiria

         Já no dia 9  se quis voltar a Leiria tive que me agarrar ao volante e por minha conta e risco fazê-lo. Mas arranjei companhia, a do Sr. Padre Abel, por azar dele. Do recinto do Hospital de Leiria,  colhi uma foto da ermida da Senhora da Encarnação onde na década de 70 me casei. 

Capela de Água Formosa (Ilha - Pombal)

          A visita pascal  no Lar de São Braz, Água Formosa,  foi no dia 13. Participei e tirei uma foto da capela que já está em terreno da Ilha (Pombal).  

Estádio Municipal de Leiria

           E voltei de novo por minha conta e risco à princesa do Lis na tarde do dia 14, agora conduzido pela minha cara-metade que para não se meter na confusão do transito da cidade deixou o carro no parque vizinho de um estádio que é bem o espelho do que foi fazer as dívidas que agora todos nós, portugueses, temos  que pagar....

Algures na Bajouca

          Bem! E para encerrar a prolongada estadia nada podia ser melhor do que foi participar na festa de aniversário (5º) da Ângela que com toda a pompa e circunstância os pais, no dia 18, festejaram. Foi um dia em beleza, para a Ângela e para quem graças a ela partilhou do alargado e familiar convívio que os pais babados proporcionaram aos amigos convidados. É por causas destes convites que me demoro e sempre que lá estou me custa deixar a capital do barro.      

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:06


8 comentários

De mg a 19.05.2010 às 12:38

Pois é!...
Se viesse primeiro o sr. Costeira da Murta, dizia logo: "De se lhe tirar o chapéu "e "tudo passeios muito baratos" e bonitos, digo eu ...com banquete no fim.
Este vitral da Igreja da Bajouca ,é maravilhoso.
Aprendeu e "apreendeu", muita coisa da vida, com aquele senhor do AVC, com o gafanhoto, com aquele melro, com o atleta, e pelos vistos, "como quem não quer a coisa", com a sua Senhora a conduzir!...
Então também por Santarém...Aquele sítio da foto é especialmente bonito e leva ao meu sítio...não viu por alí um burro chamado "Rafaelli"? Pena, porque é um burrico que ri pra todos...Está por lá guardando os gatunos, mas deixa entrar todos e ainda se pôe a jeito de levar porrada, tadinho...
também adoro sempre que posso, visitar as igrejas de Santarém.
Belas férias...Vê-se logo que é reformado... E eu a pagar os impostos, certinhos...ao Estado da Nação!
Ao menos aproveite bem !

De aquimetem a 19.05.2010 às 13:16

Ai é assim que se resguarda dos larápios, confiando aos burros os haveres? Admires se que lhe façam o ripanço! Não me diga que aprendeu com a maioria dos portugueses quando confiaram a governação ao Sócrates do PS? Dê graças a Deus por pagar os impostos pois é sinal que os pode pagar, eu também os pago mas sempre que posso aproveito para fazer companhia a quem me convida. Não sabia que tinha um burro em Santarém, vá nele quando puder até à Bajouca . Um abraço.

De Costeira da Murta a 20.05.2010 às 18:45

Ressonâncias...
Não se zanguem por causa deste "gato escondido com o rabo de fora", mas lá que o estimado repórter não perde um passeio barato, lá isso não!
"Caçar" um "melro" no quintal, não é para todos mas lá que os há na Bajouca e dos bons, há!
O Vitral da Igreja está maravilhoso, mas, porventura ignorância minha: afinal quantos eram os Apóstolos? Já contou as cabeças?, Ou será que o artista colocou lá também os elementos da actual Comissão da Igreja?
Aprecio a forma saudável como o estimado repórter saboreia a reforma.
Que Deus o conserve e a mim, se me calhar a vez, não desampare!
Saudações.

De aquimetem a 21.05.2010 às 00:02

Essa agora! Então são mais que doze os Apóstolos que constam no vitral? Só se incluiu também as Santas Mulheres, ou algum artista infiltrado, e pendura como eu. Mas o facto é que não dei conta desse pormenor . É o que eu digo, e a minha conterrânea Mg não se cansa de dizer: o Sr. Costeira da Murta ande ou não ande com a cauda de "gato escondido com o rabo de fora" sempre que aparece neste blog empresta - lhe uma importância informativa e cultural que o enriquece e valoriza seja qual for o tema em causa. Muito obrigado. O próximo domingo, dia 23, que é Domingo de Pentecostes, vou estar na Bajouca , e aproveito para ir confirmar que que estou farto de pensar que vi, e afinal não vi nada. Que o Espírito Santo, a 3ª Pessoa da Santíssima Trindade, desça e a todos nos ilumine a alma e a mente.

De Anónimo a 22.05.2010 às 11:58

Pois... mas disse que ia às brisas do Lis...agora ponha-se a comer brisas e esqueça-se de passar pela Igreja e contar , quantos são os apóstolos que pintaram no vitral...!
Não se pode confiar em ninguém, só para levarem mais dinheiro pela obra, ate´alteram a História de Jesus.
Será que os pintores eram políticos? Oh raça!!

De aquimetem a 26.05.2010 às 01:04

Não fora o Sr. Costeira da Murta, e agora - aqui sim! -, uma gata escondida com o rabo de fora, terem alertado para o que de curioso o dito vitral exibe, por certo que ninguém reparava no dito pormenor. Eu já o tinha visto por várias vezes, mas com sinceridade nunca dei conta que ali havia gente a mais... E não há. Mas entretanto confesso-me um mau observador. Mesmo depois do alerta precisei de subir por duas vezes ao coro: primeiro para contar as figuras (15) ; e depois do Sr. Padre Abel me dar uma dica,voltar lá de novo para identificar quem eram os Apóstolos (12). Então é assim: Os Apóstolos e Nossa Senhora estão identificados por línguas de fogo (13), os dois personagens (2), um em cada canto do vitral, representam as pessoas anonimas que no momento do Pentecostes se encontravam no cenáculo. Fica explicado o que faltava explicar e só quem é bom observador vê. Parabens distintos comentadores, a quem agradeço a lição.

De Anónimo a 27.05.2010 às 00:00

Ah!... pessoas anónimas...eu chamava-lhes "penduras", como dizia o conterrâneo, algures. Tudo porque a Bajouca tem as portas sempre abertas para tudo que queira aparecer, com mesa sempre posta de tudo que é bom , e ainda rematado até, com acessíveis passeios, muito airosos e bastante em conta..aí, o pessoal até no vitral da igreja se foi prantar !
Há sempre gente pra tudo...

De aquimetem a 30.05.2010 às 18:47

Penduras não, porque ainda não me senti ser estendal vosso. Mas lá que estou a dar uma boleiazinha a quem da vida local me parece estar muito mais a par do que eu começo a pensar que sim. Essa lá do prantar ...tem a sua piada, mas não me revejo no cenáculo vitraliano ...Além das línguas de fogo, também há as más línguas

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D